sexta-feira, 19 de junho de 2015

E daí..

E daí você abre a porta do quarto e respira o cheiro dele. Respira o ar dele. Observa as cortinas abertas, a mesa de cabeceira desarrumada. O travesseiro sem a cabeça dele recostada. 
Daí você sente o calor subir na alma. Sente a dor tocando feito brisa matinal. Sente a falta. Sente a presença, sente o ar do sorriso dele. Olha o café. Olha a mesa com outro lugar vazio. Anda descalça pela casa para não fazer barulho para não assustar os pensamentos profundos. 
E daí você se lamenta e tenta dizer para si mesma que já passou, mesmo querendo que as coisas estivessem ali no mesmo eixo no mesmo lugar no mesmo hemisfério. Mas nada faz mais sentido quando o amor vai e esvai nos olhos. 
É dor que dói mesmo sem consentimento. E o tempo agora mudou os ventos, mudou a direção. Mudou o humor. Mudou a consistência dos dias. Tudo parece nevoa, tudo parece querer virar solidão. Nas mãos o toque no peito, para sentir a batida do vazio. 
E daí você descobre que agora é cada um por si e sem interferências. Sem inerência. Sem disponibilidade. É saudade. Da porta para dentro, da porta para fora. Por onde quer que ele agora esteja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário