terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Vou me virando..

Vou me virando.
Nos trinta, nos quarenta, vou até onde puder e Deus permitir.
Tenho certeza que gratidão é a chave para abrir a porta pro infinito. É passagem consentida.
E se eu me permiti chegar até aqui tropeçando ou não, a fé me mantém motivada e o espírito clama pedindo mais alegria.
Prefiro lutar pela paz ao criar rebeliões e desestruturar todo um caminho espiritual que foi trabalhado aqui dentro.
Foi duro chegar até aqui. As coisas que amaciaram minha alma fizeram verdadeiros milagres dentro de mim.
As coisas mais brutas e endurecidas fizeram com que eu também aprendesse a me defender das mazelas do mundo, de gente sem escrúpulos e de sentimentos impuros.
Fizeram-me ver que algumas almas são adoecidas e que precisam de luz.
Vi que ninguém tem a obrigação de me aceitar, assim como eu também não tenho obrigação de conviver com quem não quero e não me sinto bem.
Sei que nem sempre é fácil manter a calma, sei que nem sempre é fácil digerir tudo.
Mas descobri que o caminho do perdão tem mais valor. Descobri que vale a pena tentar até o fim.
Vale a pena desarmar alguém com um sorriso, vale dizer a si mesmo que vai ficar tudo bem.
Eu aprendi que a gente deve chorar quando tiver vontade e sair de cena quando o coração estiver pedindo um tempo a mais perto de Deus, um tempo a mais pra ficar na zona de conforto sem que ninguém te tire dali.
Vou me virando.
Vou rabiscando, desenhando, fazendo as coisas conforme o destino pede, conforme as pessoas que chegam e partem na transitoriedade do caminho.
Vou abrindo os braços pra quem quiser ficar, vou dizendo adeus pra quem quiser ir.
Não vou impedir o coração de amar.
Não vou bloquear essas sensações intensas e prazerosas por achar que um dia posso me ferir.
Se as pessoas não se entregassem umas as outras não haveria historia, memória.
Não haveria saudade!
Não haveria o beijo de reconciliação depois da última briga!
Não haveria toque, cumplicidade, cheiro.
Olho no olho e amor pra compartilhar.
Por isso vou me virando como posso, amando como devo.
Sou dos recomeços, da resiliência.
Creio Naquele que lá do alto não me coloca num pedestal, mas sabe como ninguém me levantar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário